Mike Pence faz visita a Israel

24/01/2018

 

 

O vice-presidente dos EUA, Mike Pence,  realizou uma turnê do meio Oriente de quatro dias com uma visita a um dos locais mais sagrados do judaísmo, um fim simbólico para uma viagem que melhorou o relacionamento da administração com Israel, mas aparentemente aumentou a divisão com a liderança palestina.

 

As perspectivas de reiniciar o processo de paz israel-palestina, Pence afirmou que o cronograma para a apresentação de um plano americano sobre a paz no Oriente Médio depende do retorno dos palestinos às negociações, de acordo com a Reuters.

 

"A Casa Branca tem trabalhado com nossos parceiros na região para ver se podemos desenvolver uma estrutura para discussão do programa para a paz", disse Pence à Reuters em uma entrevista em Jerusalém na última etapa de sua viagem ao Oriente Médio. "Eu acho que tudo depende agora de quando os palestinos vão voltar à mesa", disse o vice-presidente.

 

Recepção em Israel - Pence foi calorosamente recebido pelos israelenses, reuniu-se com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e falou perante legisladores no Knesset. Mas as autoridades palestinas desprezaram a visita, e num ato de manifestação contrária, pediram greve nacional e promoveram vários protestos públicos. Em Gaza, Ismail Haniyeh, chefe da facção militante palestina do Hamas, disse que Pence não era "bem-vindo". Ele pediu a todas as facções palestinas que se unam e concordem com a "resistência em todas as formas”.

 

O funcionário da Casa Branca, que informou os repórteres com a condição de anonimato por causa da natureza sensível do processo de paz, disse que os Estados Unidos ainda estão dedicados à paz e "prontos para se envolver sempre que estiverem".

 

Ele disse que, embora "os EUA agora reconheçam Jerusalém como a capital, a administração Trump sustenta que os limites específicos da soberania de Israel sobre Jerusalém devem ser elaborados entre as partes e é uma questão de status final".

 

A visita de Pence ao muro ocidental na terça-feira foi vista pelos israelenses como uma declaração poderosa, uma afirmação contínua do alinhamento próximo da administração Trump com o estado judeu. Pence é o segundo líder sênior dos EUA em menos de um ano a fazer uma visita pessoal ao Muro do Oeste, que é conhecido em hebraico como o "Kotel". Em maio, o presidente Trump tornou-se o primeiro presidente americano a visitar lugar, no coração da cidade velha de Jerusalém.

 

Embora seja habitual a visita de dignitários ao Muro das Lamentações - o muro exterior da esplanada levantada que é chamado o Monte do Templo por judeus e al-Haram al-Sharif por muçulmanos - alguns líderes dos EUA, anteriormente, diferiram a visita porque a parte de Jerusalém fica em território altamente contestado e sensível depois da captura por Israel em 1967.

 

Uma declaração da Western Wall Heritage Foundation, que gerencia o lugar sagrado, disse que Pence recitou salmos e colocou uma nota privada na parede, uma prática habitual para os judeus que acreditam que é um lugar onde Deus está ouvindo. Quando um jornalista israelense perguntou-lhe como se sentia, o vice-presidente disse: "Inspirado".

 

"O vice-presidente Pence provou novamente sua verdadeira amizade com o povo judeu e o Estado de Israel", disse o ministro israelense de inteligência e transporte, Israel Katz.

 

Citando versos do Antigo Testamento, Pence falou com legisladores israelenses no Knesset. Ele também disse que os Estados Unidos acelerariam os planos para mover sua embaixada de Tel Aviv para Jerusalém, em homenagem a Trump por endireitar "um erro de 70 anos".

 

Pence, um cristão evangélico, foi uma força motriz por trás da decisão da administração em Jerusalém e apareceu com Trump enquanto o presidente fez o anúncio. Em suas próprias declarações passadas, ele foi além de Trump, descrevendo Jerusalém como a capital indivisa de Israel.

 

"Nas próximas semanas, nossa administração avançará seu plano para abrir a Embaixada dos EUA em Jerusalém", disse Pence. A nova embaixada "abrirá no próximo ano", disse ele.

 

A decisão de acelerar o movimento da embaixada provavelmente agravará ainda mais os palestinos, que consideram a Jerusalém Oriental a capital do seu futuro estado e dizem que a presidência de Trump foi definida por ameaças ao lado deles, mas incentivos e recompensas para Israel. 

 

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, passou o dia em Bruxelas na reunião de segunda-feira com líderes da União Européia. Ele agora está focado no apoio galvanizado para o reconhecimento unilateral de um estado palestino ao longo das linhas de 1967, ou pelo menos encontrar um novo corretor para o processo de paz.

na reunião de segunda-feira com líderes da União Européia. Ele agora está focado no apoio galvanizado para o reconhecimento unilateral de um estado palestino ao longo das linhas de 1967, ou pelo menos encontrar um novo corretor para o processo de paz.

Please reload

Please reload

Arquivo

Bolsonaro visita Muro das Lamentações ao lado de Netanyahu

02/04/2019

1/10
Please reload

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Please reload

© 2016 ICEJ - EMBAIXADA CRISTÃ INTERNACIONAL DE JERUSALÉM